jan 22 2017

21/01 – Dia Nacional de Combate a Discriminação Religiosa

brasão do 21 de janeiro

Saravá Umbandistas!

Comemoramos o “Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa” celebrado no dia 21 de janeiro como homenagem à Mãe Gilda de Salvador/BA, e é uma referência a data do seu desencarne, após ter sido vítima de agressões publicadas no jornal da IURD, ocasionadas por intolerância religiosa, no ano de 2000.

Como forma de reconhecimento, o Governo Federal, instituiu, no ano de 2007, o 21 de janeiro como o Dia de luta contra a intolerância religiosa.

Aconteceram atos semelhantes em todo o Brasil, e em Curitiba, nos reunimos na Boca Maldita, no coração da cidade, numa promoção do Fórum Paranaense das Religiões de Matrizes Africanas, coordenado pelo Pai Márcio Marins e do Afroconesul-PR, coordenado pela Pai Lúcio de Xangô.

Como fomos convidados, representamos a FUEP, e de positivo podemos afirmar da importância da união de três representações (FPRMA, AFROCONESUL e FUEP) de Umbandistas e Candomblecistas do nosso estado, e a presença de dezenas de fiéis das religiões de matrizes africanas.

Oxalá permita que essa união seja permanente a partir de agora, sem importar quem seja o promotor do evento, como bem disse a Mãe Denise.

Certamente, o fracasso de um de nós é o fracasso de todos, o que vale também para o sucesso na realização de eventos, atos e manifestações!

Como era um dia de luta, tivemos algumas intervenções que expuseram diversos fatos de intolerância religiosa em nossa cidade e o enfrentamento que foi dado. E, como toda reunião do povo de santo, teve muita música, canto, dança e toques dos tambores.

Muitas outras manifestações já estão sendo preparadas e partindo das dezenas, queremos reunir centenas, milhares de fiéis e assim por diante, para que consigamos ecoar a nossa indignação ao tratamento que é dispensado pelo poder público e pela sociedade, notadamente algumas igrejas neo pentecostais evangélicas, principalmente as eletrônicas, que pregam a intolerância e o desrespeito aos diferentes, trazendo para si a exclusividade da representação divina, quando, o próprio Cristo em sua passagem terrena deixou claro que “existem muitos caminhos para a morada do Pai”.

Mas, como bem lembrou a Mãe Cris, na sua fala, nós não precisamos fazer o enfrentamento com o mesmo ódio que nos é destinado, mas sim, com amor, que possa entrar no coração e nas mentes das pessoas.

Importante também a intervenção da Ekéde Jéssica que está iniciando o processo de organização do movimento das “Mulheres do Axé” para o qual daremos todo o apoio, haja vista a maioria esmagadora de mulheres entres os fiéis Umbandistas.

Por último não podemos deixar de citar a presença do Beto, representante do CONPAZ/PR e da Caritas, que externou a sua mensagem de alegria em participar do ato.

Contamos com a sua participação nos próximos eventos, essa luta é de todos e de todas, e não se encerra num único dia, deve ser permanente, até que consigamos o respeito e a consideração da sociedade brasileira!

Juntos somos mais fortes! Axé!

Pai Lúcio de Xangô

Pai Márcio Marins

Paulão, marins e Lúcio

Mãe Denise

faixa

Ekede Jessica

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.